DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO DF EXIGE AÇÃO EFETIVA DO PODER PÚBLICO NO COMBATE À ILEGALIDADE

11 nov 2021

O Distrito Federal só terá desenvolvimento econômico, com inclusão social e cidadania, se construir paradigmas que fortaleçam a atividade econômica e melhorem o ambiente de negócios para que os diversos segmentos do setor produtivo cumpram seu papel gerador de riquezas. Nesse campo, o combate à ocupação ilegal e à expansão desordenada, assim como o reforço da segurança jurídica, é essencial para construir um DF forte e próspero. “O dano do ilegal agride toda a população e não só ao empresário. Não tem como falar de desenvolvimento sem combater a ilegalidade”, afirmou Eduardo Aroeira Almeida, presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (ADEMI-DF) durante painel do Correio Talks, webinar realizado pelo jornal Correio Braziliense na tarde da quarta-feira (10/11).

“Nós chegamos a um momento em que batemos no teto. A velocidade do privado é muito maior que a do setor público. O empresário do DF está preocupado com a ocupação ilegal”, acrescentou. Com o mote “O futuro econômico do DF por meio do fomento ao setor privado” e pensado para debater como gerar empregos, manter a arrecadação de impostos, garantir serviços essenciais à população e oferecer meios para a expansão do setor produtivo no DF, o evento foi transmitido ao vivo pela internet e reuniu autoridades dos poderes Executivo e Legislativo, e representantes de entidades do setor produtivo.

O presidente da ADEMI DF foi enfático ao defender a adoção de medidas efetivas para inibir a ocupação ilegal do território – ação que estimula a ação irregular de empresas em diversos segmentos, incluída a construção civil – e maior celeridade no processo de regularização fundiária no DF. “Esta é uma preocupação de todo o setor produtivo. Casos como o Assentamento 26 de Setembro, invasão ao lado de um parque ecológico, precisam acabar. Sem isso, não haverá desenvolvimento de qualidade”, destacou.

O posicionamento do setor foi traduzido em artigo publicado pelo Correio Braziliense. Leia aqui: https://www.correiobraziliense.com.br/opiniao/2021/11/4961868-para-crescer-o-df-tem-que-ser-legal.html

Segundo o presidente da entidade, a expansão desordenada e ilegal leva a uma percepção equivocada de desenvolvimento no DF e gera prejuízos para a população. Para Aroeira, o desenvolvimento futuro do DF está atrelado ao fortalecimento do setor privado, com um maior equilíbrio com o setor público na geração de empregos e renda. Nesse campo, frisou, o setor da construção tem grande potencial para induzir crescimento pela geração de emprego formal e renda. “Antes da pandemia, nosso setor empregava 58 mil pessoas, hoje são 82 mil trabalhadores”, comentou.

Autor
Avatar

Imprensa Ademi-DF

Categorias

Parceiros